23 de out de 2007

defino a extensão do pensamento
que se solta e me atordoa
sem pontos nem marcos

21 de out de 2007

moldo-me em quimeras principescas
e espraio-me em águas verdes de paisagens
avanço por montes e odores até à luz ocre do dia

19 de out de 2007

traço segmentos de cansaço no branco de folhas amarrotadas
e arranho vestígios de sonhos perdidos através do tempo
absorvo diagonais e passeio por perpendiculares

17 de out de 2007

espreitei de soslaio o interior assombroso das trevas
e voltei à luz do dia de olhos fechados
abri-os quando o eco soou

16 de out de 2007

desperta o ciúme de um ter
feito de querer e amar
a tempo da alvorada que ofusca o olhar

15 de out de 2007

enrolei-me,
ora em diabólicos tentáculos obtusos
ora num furacão de bestas
e resisti

14 de out de 2007

extenuada, parti em busca de uma esmeralda
encontrei um rubi e abandonei-me num mar de pérolas

8 de out de 2007

adormeci sem o olhar que me embala o corpo e me desperta os sentidos
adormeci sem as palavras densas de intimidades de sonhos de cumplicidades

7 de out de 2007



passos leves e soltos guiaram-me pelas horas que teimaram em correr pela corrente do rio...